quarta-feira, 7 de abril de 2010

O Orgulho, o Julgamento e a Caridade


AO_RONDA DA CARIDADE_LBV
Originally uploaded by Anabela Oliveira.
"Como é que vedes um argueiro no olho do vosso irmão, quando não vedes uma trave no vosso olho? — Ou, como é que dizeis ao vosso irmão: Deixa-me tirar um argueiro ao teu olho, vós que tendes no vosso uma trave? — Hipócritas, tirai primeiro a trave ao vosso olho e depois, então, vede como podereis tirar o argueiro do olho do vosso irmão." (S. MATEUS, cap. VII, vv. 3 a 5.)

"(...) Incontestavelmente, é o orgulho que induz o homem a dissimular, para si mesmo, os seus defeitos, tanto morais, quanto físicos. Semelhante insensatez é essencialmente contrária à caridade, porquanto a verdadeira caridade é modesta, simples e indulgente (...)"

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. X, itens 9 e 10.)

O ser humano, ainda tão imperfeito que é, consegue na maioria das vezes mascarar as próprias falhas mostrando as do próximo, dizendo para si mesmo que as suas falhas são menores, como se o erro fosse classificado por quantidade ou peso.

Três são as implicações expostas, a primeira, a de julgar o próximo sem mesmo conscientizar-se das próprias faltas. A segunda a de julgar a si mesmo melhor ou menos feliz, e por isso mais merecedor de crédito, ou seja, vaidade... orgulho... entre outros. E o último e não menos pontual, a falta de caridade para com as faltas alheias.

Livro dos Espíritos - Questão 886: "Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? R: Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas."

Segundo Houaiss:

Benevolência - qualidade ou virtude de benévolo; bondade de ânimo para com algo ou alguém; magnanimidade (para com os que estão sob orientação ou comando); complacência, transigência.

Indulgência - disposição ou tendência para perdoar culpas ou erros; clemência, misericórdia; absolvição de pena, ofensa ou dívida; desculpa, indulto, perdão.

Concluindo, procurar olhar para si mesmo antes de comentar erros alheios, senão por caridade para com o outro, por caridade para consigo mesmo, pois algum dia poderá precisar de alguém para auxilia-lo e esse mesmo alguém pode ser aquele que julgou ou acusou (justa ou injustamente).

Pense reflita e comente.

Abraço fraternal.

Tirinhas da Mariana

Tirinhas do Cabeça Oca