quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Sobre as catastrofes e os desligamentos coletivos...


HAITÍ-SISMO
Originally uploaded by GuraboLive.com.

Lendo sobre as notícias do terromoto ocorrido no Haiti, fui procurar algo que nos explica-se os acontecimentos a Luz da Doutrina Espírita e encontrei este editorial da Revista O Reformador - Ed. FEB - Março 2005, onde transcrevo na integra:

Provações coletivas e a prática da caridade

Desde o início de seus estudos, que decorreram do seu contato com os fenômenos espíritas, Allan Kardec mostrou interesse pelas questões “relativas aos acontecimentos capazes de acarretar uma transformação social”.
Em diálogo por ele mantido com o Espírito de Verdade, em 12 de maio de 1856*, este informava que a Terra já se encontrava no período em que se verificariam essas transformações, que seriam gradativamente preparadas por acontecimentos parciais. Consultado por Allan Kardec, observou:
“(...) não tendes que temer nem um dilúvio, nem o abrasamento do vosso planeta, nem outros fatos desse gênero, porquanto não se pode denominar cataclismos a perturbações locais que se têm produzido em todas as épocas. Apenas haverá um cataclismo de natureza moral, de que os homens serão os instrumentos.”
Como se observa, o assunto relacionado com a fase de transição em que nos encontramos já vem sendo tratado há muito tempo. Estamos, realmente, no período de transformação da Terra, de Mundo de Expiações e Provas – caracterizado pela manifestação do egoísmo, do orgulho e da violência humanos –, para Mundo de Regeneração, em que os homens, embora ainda longe da perfeição moral, estarão mais conscientes da sua condição de Espíritos imortais, perfectíveis, em processo de evolução e, conseqüentemente, mais dedicados ao seu próprio aperfeiçoamento moral e espiritual. Esta sim, como destaca o Espírito de Verdade, é a grande mudança que se opera no nosso planeta.
As perturbações físicas que acontecem na Terra, por certo continuarão ocorrendo, como sempre ocorreram, provocando provações coletivas ainda necessárias, submetendo os homens a provas e expiações indispensáveis ao processo de aprimoramento moral e de libertação espiritual a que estamos todos destinados.
O ser humano, todavia, diante dessas provações coletivas, já sente a necessidade de movimentar-se no sentido de auxiliar o próximo – individual e coletivamente – e atendê-lo em suas necessidades materiais, morais e espirituais. Estas são as manifestações de caridade e solidariedade que irão caracterizar o Mundo Novo que o homem está construindo, e que já começam a ser vivenciadas na fase de transição em que nos encontramos.

*Allan Kardec. Obras Póstumas. Segunda Parte – Acontecimentos – 12 de maio de 1856. 34. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004, p. 279-280.

Americanos doam US$ 2 milhões ao Haiti em um dia via mensagem SMS

Cada usuário doou US$ 5 para as vítimas do terremoto.
Twitter ajudou na divulgação das campanhas nos Estados Unidos.

Do G1, em São Paulo

Uma campanha para ajudar as vítimas do terremoto no Haiti por meio de mensagens SMS arrecadou US$ 2 milhões em um dia nos Estados Unidos. O dinheiro será enviado para a Cruz Vermelha.

Para fazer a doação, donos de celular precisavam apenas enviar uma mensagem com a palavra “Haiti” para um número específico. De acordo com reportagem do jornal “The New York Times”, o valor cobrado pelas operadoras era de US$ 10. A campanha foi organizada pela empresa MGive juntamente com a Cruz Vermelha e a Casa Branca.

Além dos celulares, o serviço de microblog Twitter também ajudou na arrecadação de fundos para os haitianos. Mensagens de ajuda ao país apareceram entre os tópicos mais comentados do site, que incluíam a campanha da ajuda via SMS. Segundo o “The New York Times”, a organização YELE, do cantor haitiano Wyclef Jean, também utilizou as mensagens de celular para arrecadar US$ 5 por usuário às vítimas no Haiti.

Fonte: G1

Pesquisa identifica ligação entre câncer e estresse

Pesquisadores chineses e americanos demonstraram cientificamente pela primeira vez que existe uma relação direta entre o câncer e o estresse. A pesquisa está publicada na edição desta quarta da revista Nature, onde os cientistas afirmam que as células atingidas pelo estresse podem emitir sinais que induzem à geração de tumores que afetam às células sadias vizinhas.

Apesar de ter sido realizado com moscas de frutas, o estudo indica que os mesmos genes e as mesmas sequências biológicas envolvidas neste processo estão presentes nos seres humanos.

Até agora, se sabia que as inflamações crônicas, causas-chave do estresse, estão associadas com o crescimento dos tumores em doentes de câncer e alguns especialistas argumentam que as emoções negativas, os hormônios do estresse, as inflamações e o câncer podem estar interrelacionados, embora não exista uma evidência clara.

Também há um consenso que as mutações genéticas causadoras do câncer só afetam individualmente as células. Mas este estudo indica que nem sempre é assim, já que diferentes mutações em células distintas podem colaborar, entre estas na geração Y, no desenvolvimento dos tumores.

Os autores do estudo centraram o trabalho na atividade de dois genes mutantes causadoras de cânceres. Um deles é o RAS, que está relacionado com 30% dos casos da doença, e o outro é um gene supressor dos tumores que quando se apresenta de maneira defeituosa propicia o desenvolvimento do câncer. Nenhum gene RAS mutante e nenhuma versão mutante do gene supressor podem por si só causar um câncer.

Os pesquisadores estudaram as moscas das frutas que levavam as mutações genéticas e descobriram que uma célula que tem só o RAS mutante pode gerar um tumor maligno se envolvida a uma célula próxima com um gene supressor defeituoso.

A conclusão é que o estresse era o fator determinante que unia a as células, gerando proteínas marcadoras, para poder passar de célula para célula.

O professor Tian Xu, da University of Connecticut School of Medicine (EUA), principal responsável pela pesquisa, manifestou que "são más notícias", porque "há uma grande variedade de condições que podem desencadear o estresse físico e emocional, assim como as infecções e as inflamações".

Definitivamente, o estudo demonstra que é mais fácil do que se pensava que o câncer se arraigue no organismo humano, após constatar a maior probabilidade das mutações atingirem várias células distintas do que em uma só.

A boa notícia é que também identifica uma nova via potencial para deter o câncer, se for possível bloquear a origem do sinal de estresse que recebem as células.

"Um melhor entendimento do mecanismo subjacente na geração do câncer sempre oferece novos instrumentos para combater a doença", destacou o professor Wu.

Fonte: Terra

Tirinhas da Mariana

Tirinhas do Cabeça Oca