quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Consumismo é incompatível com saúde do planeta


P a r a d i s e
Originally uploaded by Renata Diem.

A luta contra o aquecimento global passa por uma renúncia ao consumismo para favorecer assim as iniciativas compatíveis com um desenvolvimento sustentável do planeta, segundo um relatório publicado nesta terça-feira pelo Worldwatch Institute, com sede em Washington.

"Temos visto esforços para combater a crise mundial provocada pela mudança climática nos últimos anos, mas proceder a essas mudanças tecnológicas e políticas e manter uma cultura centrada no consumismo e no crescimento não é algo compatível", afirmou Erik Assadourian, do Worldwatch Institute.

As despesas com o consumo nos países industrializados compreendem cerca de 70% do Produto Interno Bruto. Segundo o relatório anual da instituição, a população mundial consumiu US$ 30,5 trilhões em bens e serviços em 2006, um aumento de 28% em dez anos. Esse forte crescimento do consumo implica uma explosão da extração de matérias-primas e do consumo de energia.

Segundo ainda a instituição, os 500 milhões de pessoas mais ricas do mundo (cerca de 7% da população) são responsáveis por 50% das emissões de CO2, contra 6% dos três bilhões mais pobres.

Fonte: Terra

Sobre o Aborto...


Noa, cute baby :)
Originally uploaded by titlap.

Em reportagem da Veja (web)...





Mas nem por isso devemos afrouxar a cobrança ao poder público. Para isso coletei alguns trechos sobre o assunto:




Livro dos Espiritos - PARTE 2ª - CAPÍTULO VII


Questão 358. Constitui crime a provocação do aborto, em qualquer período da gestação?


Resposta: “Há crime sempre que transgredis a lei de Deus. Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por isso que impede uma alma de passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando.”



Livro: Nos domínios da mediunidade (Andre Luiz) Cap. 10 - pag. 44 a 45

"Moça de notável pro­cedência, possui belas aquisições culturais, entretanto, sempre se comporta de modo chocante, evi­denciando desequilíbrios ocultos. A princípio, com­pareciam a insatisfação e a melancolia ocasionando crises de nervos e distúrbios circulatórios. Doente, desde a puberdade, em vão opinaram clínicos de renome sobre o caso, até que um cirurgião, cren­do-a prejudicada por desarmonias da tireóide, sub­meteu-a a delicada intervenção, da qual saiu com seus padecimentos inalterados. Logo após, conhe­ceu o cavalheiro sob nossa observação, que a des­posou convencido de que o matrimônio lhe cons­tituiria renovação salutar. Ao invés disso, porém, a situação se lhe agravou. A gravidez cedo se verificou, consoante a planificação de serviço, tra­çada na Vida Superior. Nossa irmã doente deveria receber o perseguidor nos braços maternos, afagando-lhe a transformação e auxiliando-lhe a aqui­sição de novo destino, mas, sentindo-lhe a apro­ximação, recolheu-se a insopitável temor, adiando o trabalho que lhe compete. Impermeável às su­gestões da própria alma, provocou o aborto com rebeldia e violência. Essa frustração foi a brecha que favoreceu mais ampla influência do adversá­rio invisível no círculo conjugal. A pobre criatura passou a sofrer multiplicadas crises histéricas, com súbita aversão pelo marido. Principalmente à noi­te, é colhida, de assalto, por fenômenos de sufo­cação e de angústia, amargurando o consorte de­solado. Médicos foram trazidos, no entanto os hipnóticos foram empregados em vão... Em fran­ca demência, a enferma foi conduzida à casa de saúde, todavia, a insulina e o electrochoque não lhe solucionaram o problema. Presentemente, atra­vessa um período de repouso em família, deliberando o esposo experimentar o concurso do Espi­ritismo."




Livro: As Leis Morais (Rodolfo Calligaris) - Cap. 17 - pag. 37

"Ouçamos, agora, o que a respeito nos diz um médico do Mundo Maior: A mulher que o promove ou que venha a coonestar seme­lhante delito é constrangida, por leis irrevogá­ veis, a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se geral­mente a dolorosas enfermidades, quais sejam a metrite, o vaginismo, a metralgia, o enfarte uterino, a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muita vez, desencarna, deman­dando o Além para responder, perante a Jus­tiça Divina, pelo crime praticado. (André Luiz: “Ação e Reação”)"

Pense nisso e repasse a todos quantos forem possivel.

Abraço.

Tirinhas da Mariana

Tirinhas do Cabeça Oca